Sapato de artista

Esses dias vi na internet uma foto de um sapato artesanal que me lembrava aquela imagem do bobo da corte ou sapato de duende ou de qualquer personagem dos contos de fadas. Era uma sapato de couro de camurça, pouco estruturado e bastante maleável, cuja ponta era afinalada e pontiaguda, com uma leve inclinação para cima.

E para não haver dúvidas, trouxe aqui uma foto do artesão Tito Quitério, português, onde até hoje mantem a oficina de sapatos artesanais, que já pertencera à seu pai e seu avô.

sapato de bobo da corte

Sapato de bobo da corte, sapato de Peter Pan ou sapato do que quer que seja, fiquei pasma ao me deparar com a realidade de que esse tipo de sapatos ainda são feitos nos dias de hoje.

Sapatos feitos à mão

Usados em sua maioria por artistas, não são mesmo peças comuns que se encontram nas grandes lojas de calçados da cidade. Apesar da rusticalidade, o sapato de bobo da corte, como eu assim o batizei, tem lá o seu charme.

Ele é superconfortável e segue as tradições de fabricação de sapatos dos tempos antigos, quando tudo era feito à mão, desde o corte do couro, às costuras e montagem final do calçado.

O couro de camurça, super maleável, confere ao sapato um conforto extra, além de manter o pé bem protegido e oferecer uma ótima aderência ao solo.

Tito Quitério confecciona não apenas sapatos para artistas, mas todo tipo de calçado, que são feitos sob medida e com designers diferenciados concebidos por artistas ou pelo próprio artesão.

Saiba mais

Se você ainda não conhece, vale a pena conferir. São vários modelos de sapatos, botas, botinas e sandálias femininas e masculinas, feitos com muito bom gosto, ousadia e cuidado.

Visite o site de Tito Quitério para conferir os outros modelos confeccionados pelo artesão. Conheça melhor este trabalho, que há gerações vem cuidando dos seus pés.

Imagem por titoquiterio.blogspot.com

1 comentário… add one

  1. Daniel Ferrat February 8, 2011 at 3:23 am

    Sou ator e preciso urgentemente de um sapato desses… Sabe como posso conseguir???

Deixe um comentário